terça-feira, 6 de outubro de 2009

BIPOLAR

BIPOLAR: Um destes dias visitei um blogue amigo, deparei-me com a duvida da sua autora. Tem-se andado a sentir esquisita e como viu uma reportagem sobre a bipolar ficou apreensiva. Aqui deixo o meu testemunho.


Com ………anos e fazendo uma retrospectiva de toda a minha existência, há pontos, mais sensíveis uns que outros. Lembro-me por exemplo da luta que diariamente travo com uma espécie de doença que tem por nome bipolar. É difícil falar dela, porque a luta é mesmo essa tentar esquece-la. Tempos ouve que dependia de uso de medicação, porque juntando a uma depressão, os sintomas são mesmo estúpidos. Hoje, graças a Deus, aprendi a lidar com os sintomas e eu própria já me conheço. Para quem nunca ouviu falar da bipolar muito resumidamente é o seguinte: O doente tem sensações extremas, uma euforia extrema, tem medos extremos, por vezes não existe controlo. Há casos que levam ao suicídio. Não costumo falar disto, mas desconfio que o meu avô paterno se suicidou porque também era bipolar. Tudo me leva a crer isso. Analisei juntamente com o meu neurologista toda a situação. Todo medo duma situação dita normal se transforma numa coisa horrível, até insuportável. O meu avô no dia do seu suicídio era arguido num processo de tribunal, tudo levava a crer que ele era inocente e que seria ilibado, mas não conseguiu aguentar a pressão, matou-se esse mesmo dia de manha.
Ainda tenho a imagem dele deitado em cima da cama depois de ter tomado veneno das batatas. Naquele tempo não havia como diagnosticar, nem a medicação adequada para aliviar as crises.
Digo crises, porque quando se fica de tal forma deprimido só se esta bem isolado, deitado e em silencio. Parece fobia social mas não é.
Há alturas em que todos os problemas são simplificados de tal forma que a felicidade é tanta que parece irreal, e é porque isso que é muito natural em quem tem essa doença.
Há uns anos para cá tentei informar-me para me puder libertar dos químicos, hoje posso dizer que consegui, tomo só de vez em quando um comprimido rosa quando noto que vou precisar e ainda não estou em crise.
O primeiro passo é o conhecimento da doença, dos sintomas e de nós próprios e aí consegue-se ter uma vida normal. Eu costumo dizer que toda esta genica que eu tenho e que só quando paro respiro, me vem da doença. Tal como os momentos de nostalgia que eu transformo em poemas tristes também são uma faceta dela.
Só para rematar este capítulo da vida real, eu, também já tentei o ….., mas acredito que não o voltarei a fazer, pois tenho bases sólidas que me ajudam a manter a sanidade mental limpa. Os meus filhos que são o valor mais precioso para mim.
Também já tive momentos de verdadeira loucura que nos parece a nós, que estamos num momento de embriagues, que passamos por tudo, em todo o lado, sem fazermos um único risco na nossa vida. Descobri que a escrita me ajuda, que muita coisa me ajuda, mas a verdadeira ajuda tem de partir de mim e só de mim.

5 comentários:

lua disse...

Agradecida pelo testemunho. Gostei de saber que se pode viver com bipolar sem recorrer a farmacos. Bipolar não sei se sou, aliaz nem nunca fiz qualquer exame psiquiatrico nem neurológico, o unico contacto que alguma vez tive com psiquiatras foi na minha infancia e por fazer xi-xi na cama, lol. Tenho tido algumas depressões e só uma vez fui medicada para isso e não gostei nada do efeito da medicação. Dormi uma semana inteira, quando acordei revolvi parar com mesma e lutar contra aquela tristeza sem ajuda dos farmacos. Comecei a fazer desporto, a dedicar-me a diversas coisas diferentes. Eu pinto, leio, custuro, estudo,ajudo os outros, ouço os seus problemas, enfim... só quando tenho o tempo todo ocupado é que ando bem, se tenho uma vaga começo a pensar em coisas que não devo. Só que o corpo não aguenta tanta agitação e as vezes pede descanço, é bom mas é complicado tentar não deixar que o meu lado negro tome conta de mim.
Enfim é complicado falar nisso mas é bom saber que há pessoas muito positivas como a maria.
Um bejinho

Helena Teixeira disse...

Testemunho impressionante e muito importante para todos nós.É importante saber lidar com a doença e com os doentes bipolares,sem os marginalizar,nem os rebaixar.Ás vezes,confesso,vejo novelas e gosto :) e em Caminho das Indias,o papel do rapaz mostrava isso mesmo doenças esquizofrénicas e bipolares.Acho que ele mostrou que se pode vir com a doença porque ela não impede o convívio,o trabalho,o amor etc...
Felicidades Maria :)

Jocas gordas
Lena
do Clube das Mulheres Beirãs

P.S.:se quiser dar um salto até ao blogue da Aldeia www.aldeiadaminhavida.blogspot.com está a decorrer a blogagem de Outubro com o tema Na Minha Terra,come-se bem.Há prémio para melhor comentário e melhor bloguista :)

Inês disse...

Vivi e vi histórias tristes em torno da tal bipolaridade. Mas vejamos bem: o mundo é bipolar! Vamos unir forças e apreciar a vida, que somos capazes de conviver com nossos problemas e fazer deles nossos aliados!
Um abraço a todas, principalmentea escritora.
Parabéns pelo blog.
Virei seguidora.
Inês.

Milésimo disse...

Tomara muita gente que se diz normal, ser como tu.
Mesmo sem nos conhecermos pessoalmente, sabemos muito um do outro e tu és daquelas pessoas que valem por tudo o que são... e dão. Tu dás tanto de ti aos outros.
Não... tu não és normal. Tu és uma grande pessoa e amiga.

Bjs

Maria disse...

Maria minha amiga que já mora em meu coração...,hoje conheci mais um pouco da minha Maria como eu...vou começar a tratar-te por tu pode ser???...Mesmo sem autorização cá estou a tratar-te por tu,a tua coragem e a forma de descrever, tornou mais fácil a muita gente compreender o que é ser Bipolar,eu tenho vários problemas de saúde que me prevoca depressão e compreendo-te muito bem, há dias bem dificeis para mim mas temos que ter muita força para nos levantar!
Neste momento estou lutando comigo mesma, e estou contente de estar aqui no teu lindo cantinho.
Obrigada por seres minha amiga.

:)) Beij. Mágicos